Comida & Bebida

A cozinha arménia com os seus sabores ricos e pratos deliciosos não deixará indiferente até os gastrónomos mais exigentes. Durante a sua visita à Arménia é imprescindível experimentar os pratos nacionais, que são amostras da história, costumes e tradições do país. A cozinha arménia é tão antiga quanto a sua história, com mais de 2.000 anos de tradições culinárias.

Para os arménios, a cozinha está diretamente associada à hospitalidade, pois a mesa reúne a família, os amigos e parentes. Desde os tempos antigos, o pão e o sal usavam-se ​​como um gesto de hospitalidade e as festas reais começavam com a cerimónia de partilha do pão e do sal. O anfitrião e o convidado cortaram o pão transversalmente que simbolizava a sua amizade. Essa tradição continua em algumas cerimónias até hoje.

A cozinha arménia é repleta de muitos pratos deliciosos e perfumados para os amantes de carne e vegetais. A abundância de carne na cozinha arménia é o resultado do desenvolvimento precoce da pecuária nas terras altas da Arménia. A cozinha arménia destaca-se também pelo grande número de plantas comestíveis. Mais de 300 espécies de plantas são utilizadas como pratos básicos ou como condimentos. A variedade de frutas e vegetais frescos e orgânicos disponíveis em qualquer lugar com certeza vai agradar a todos os que visitam a Arménia. Outra característica da cozinha nacional é o uso extensivo de especiarias que tornam os pratos ainda mais aromáticos.

As técnicas culinárias arménias são bastante complicadas, com muitos segredos que são passadas de uma geração para outra. Graças a esses métodos e receitas exclusivos de culinária os pratos derretem na boca.

Aqui estão alguns dos melhores pratos que todo viajante deve provar.

Lavash

É difícil imaginar a cozinha arménia sem o “lavash”. Este pão tradicional de grande importância cultural para o povo arménio foi inscrito na Lista do Património Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO em 2014. O “lavash” é um pão fino cozido nas paredes de um forno subterrâneo denominado “tonir”. A sua preparação é um processo bastante complicado que requer muito esforço e habilidades especiais. Esta costumava ser uma ocupação exclusivamente feminina. As mulheres trabalharam em grupos e acompanharam o processo de preparação com orações e cantos especiais sobre o seu sabor delicioso. O “lavash” também desempenha um papel ritual nos casamentos: é colocado nos ombros dos noivos como símbolo de fertilidade e prosperidade. Devido à sua longa vida útil, o “lavash” salvou muitos soldados arménios da fome durante as guerras.

 

Khorovats

“Khorovats”, comummente conhecido como churrasco arménio, é um dos pratos mais saborosos da Arménia. Aqui você pode encontrar mais de vinte tipos de “khorovats”, cada um com as suas técnicas especiais de preparação.

O “khorovats” prepara-se com carne de porco, cordeiro, boi, frango, truta, esterlina e outros tipos de carne e peixe. Antes de cozinhar, a carne é marinada em molhos diversos que lhe conferem sabores ainda mais únicos. Este prato que é sempre servido com o “lavash”, é a parte inseparável dos festivais e eventos arménios.

Dolma

Outro prato tradicional da cozinha arménia é a famosa “dolma”, também chamada de “tolma”. Embora possa ser encontrado nas cozinhas de muitos países do Oriente Médio, é, sem dúvida, de origem arménia. A palavra “dolma” vem da palavra urartiana (antigo reino arménio) “toli”, que significa “folhas de uva” e afirma-se que o seu tipo mais antigo se preparava com folhas de uva.

Os arménios têm mais de 50 tipos de “dolma” preparados de diferentes tipos de carne e vegetais embrulhados em folhas de uva, repolho, marmelo e mirtilo. A “dolma” clássica é preparada com carne picada envolvida em folhas de uva. Todos os anos, os arménios celebram o “Festival de Dolma”, onde se pode desfrutar de diferentes “dolmas” arménios. O festival é acompanhado por canções e danças nacionais.

  

Khash

“Khash” é uma sopa arménia tradicional feita de pés de boi e, às vezes, do seu cérebro e estômago. Por tradição, os arménios comem este prato muito cedo pela manhã, antes do café da manhã, adicionando alho picado, vegetais e lavash seco. Essa tradição vem dos tempos pagãos. Diz-se que o “khash” era a comida dos pobres, já que os ricos que compravam o animal tomavam a carne e atiravam as pernas. Os pobres tomavam essas pernas, cozinhavam e comiam de manhã cedo para que ninguém visse. Embora também seja consumido nos países vizinhos da Arménia, o “khash” é sem dúvida de origem arménia e vem da palavra “khashel” que significa cozinhar. Apesar de que o “khash” exija um longo processo de preparação, ainda é muito popular na Arménia.

Harissa

“Harissa” é outro prato tradicional muito famoso preparado com carne (frango ou cordeiro) e trigo triturado. Este prato requer um longo processo de cozimento, que é a chave principal do seu sabor. As raízes da sua preparação remontam a 1915, quando o governo turco tentou exterminar o povo arménio. Durante esses massacres, uma pequena aldeia chamada “Musa Ler” lutou por 40 dias sem comida e sobreviveu comendo apenas a “harissa”. Este prato tradicional tem as suas variedades e para além da carne pode ser preparado com plantas comestíveis. A “harissa” costumava ser uma das partes inseparáveis ​​da mesa do Ano Novo. Contudo, foi diferente daquelas que se preparavam ao longo do ano, pois as donas de casa não a misturaram para que o novo ano trouxesse paz.

Ghapama

“Ghapama” é outro prato típico arménio feito com abóbora recheada com arroz, nozes, amêndoas e mel. A “ghapama” também é considerado um prato ritual, pois era, originalmente, servido durante os casamentos para que a vida dos noivos fosse colorida e doce. Este prato arménio único é conhecido não apenas pelo seu sabor incrível, mas também pela sua aparência fantástica.

 

Khashlama

“Khashlama” é um ensopado de cordeiro tradicional com legumes. Embora este prato saboroso tenha muitas opções de preparação, a mais comum é com cordeiro ou vitela. Surpreendentemente, ao contrário de outros pratos arménios, poucas especiarias são adicionadas a fim de manter o sabor natural da carne. Para além disso, a carne é cozida no seu próprio suco, já que se utiliza pouca água durante a sua preparação.

Kyufta

“Kyufta” é um prato suculento e delicado preparado com carne, comummente servida com cogumelos. Este prato incrivelmente saboroso é tão macio que derrete na boca. Outro famoso tipo de kyufta, chamado “Ishli kyufta”, tem a forma de almôndegas e é servido com molhos de legumes.

 

Khurjin

“Khurjin”, que significa “bolsa”, é outro prato icónico da cozinha arménia. Este prato recebeu o seu nome devido à sua aparência: trata-se de uma carne finamente assada com cebola, tomate e pimentas num saco de “lavash”.

Zhingyalov Hats

“Zhingyalov Hats” é um prato tradicional dos arménios de Artsakh e Syunik. É um pão achatado arménio recheado com dezenas de vegetais finamente picados e ervas encontradas nessas regiões.

Gata

“Gata” é uma sobremesa típica arménia com muitas camadas e um sabor muito suave e delicado. Quase todas as províncias e cidades do país têm a sua própria variedade de “gata” que diferem uns dos outros pelos seus tamanhos, formas, receitas e decorações. O mais popular entre os turistas é a “gata de Garni”, feita em forma de bolo redondo. A “gata” tem uma grande importância cultural visto que simboliza a força da família e decora todas as mesas festivas. Diz-se que antigamente as pessoas faziam símbolos na “gata” com garfos, entre os quais havia cruzes para proteger as suas famílias dos espíritos malignos. A “gata” é a parte inseparável da mesa do Ano Novo. As donas de casa escondem uma moeda na massa e diz-se que “quem escolhe a peça com a moeda terá boa sorte no ano que vem”.

 

Pakhlava

“Pakhlava” é outro bolo tradicional feito com massa folhada recheada com nozes, calda ou mel. Esta deliciosa sobremesa é popular não só na Arménia, mas também em muitos outros países vizinhos e geralmente é servida com chá.

Sujukh Doce

Se és um verdadeiro amante de doces, certamente apreciarás o famoso “sujukh doce”. Este doce feito com suco de uva ou damasco e nozes tem a forma de vela e está sempre presente nas mesas do Ano Novo.

 

As Bebidas

Embora a Arménia produza diferentes tipos de bebidas alcoólicas, o lendário brandy e o vinho são considerados o orgulho da cozinha arménia. As condições climáticas da Arménia são ideais para a produção de brandy e vinho, já que mais de 100 variedades de uvas crescem no país. As uvas cultivadas aqui absorvem toda a doçura do sol arménio, a pureza da água de nascente e o cheiro das flores da montanha, tornando o brandy e o vinho arménios ainda mais especiais.

Se você ainda não experimentou essas bebidas exclusivas, não perca a oportunidade de prová-las. Durante a sua estadia na Arménia, é essencial visitar as famosas fábricas de vinho e brandy para aproximar-se da cultura do país.

O brandy Arménio

O brandy arménio tornou-se uma das marcas mais populares do país e é bem conhecido em todo o mundo. Diz-se que o brandy arménio foi a bebida favorita de Winston Churchill. À pregunta sobre o segredo da sua longevidade, ele respondeu: “Nunca se atrase para o jantar, fume charutos cubanos e beba brandy arménio.”

A história do brandy arménio começou na segunda metade do século 19, quando Nerses Tairyan, um famoso comerciante arménio, fundou a primeira fábrica de brandy em Erevan. Mais tarde, ele vendeu a empresa para o industrial russo Shustov, que elevou a produção do brandy para um novo nível e tornou-o famoso em todo o mundo. Agora a fábrica de brandy de Erevan está localizada no mesmo local e faz parte do grupo Pernod Ricard.

 

O Vinho Arménio

A Arménia é um dos primeiros países do mundo a começar a produzir vinho. As nossas tradições enológicas têm uma história de mais de 6.000 anos. Os arménios cultivavam uvas desde a antiguidade, e a evidência disso são as antigas adegas encontradas no país.

Durante as escavações na cidade de Areni em 2011, os arqueólogos encontraram a adega mais antiga do mundo, que remonta a 6100 a.C. Além da adega mais antiga e dos instrumentos utilizados na fabricação do vinho, aqui foi encontrado o calçado de couro mais antigo do mundo (5500 anos). Devido às condições climáticas favoráveis, a Arménia produz uma grande variedade de vinhos que não deixarão ninguém indiferente. O famoso cantor Charles Aznavour disse uma vez: “A especialidade do vinho arménio é que se sente, mas não pode ser descrito em palavras.” Há muitos festivais de vinho organizados em todo o país ao longo do ano, um dos quais é realizado em Erevan.