Lugares de Interés

Cultural & Historical Sights
Natural Wonders
Arts & Museums

A fortaleza de Amberd

A fortaleza medieval de Amberd, que se traduz em “fortaleza nas nuvens”, está localizada nas encostas do Monte Aragats, a uma altitude de 2300m acima do nível do mar. Ele está localizado num penhasco rochoso protegido por desfiladeiros profundos em três lados. Existe apenas um caminho que leva à fortaleza. Esta estrada passa pelas montanhas, que torna impossível o acesso no inverno.
A Fortaleza de Amberd foi construída entre os séculos VII e XX pelos príncipes arménios Kamsarakan e Pahlavuni. A fortaleza serviu como residéncia de verão para os príncipes arménios. Devido à sua localização geográfica, foi uma das posições de defesa militar mais importantes do reino arménio.

O Mosteiro de Khor Virap

O Mosteiro de Khor Virap está localizado na margem esquerda do rio Araks, região de Ararat. O nome Khor Virap significa “poço profundo” que simboliza a sua história. O mosteiro foi construído sobre uma masmorra profunda, onde São Gregório o Iluminador, foi preso por 14 anos pelo rei arménio Trdat por espalhar o cristianismo na Arménia. O santo sobreviveu graças a uma mulher que o alimentou secretamente durante todos esses anos de prisão. Quando o rei Trdat enlouqueceu, a irmã do rei libertou Gregório para curar a doença do seu irmão. Para demonstrar a sua gratidão por ter sido curado, o rei declarou o Cristianismo como religião oficial em 301 d.C., tornando a Arménia a primeira nação a adotar o Cristianismo como religião oficial.
Em 642, o Catholicos arménio Nerses III construiu uma capela sobre a masmorra, que mais tarde foi destruída e substituída por uma nova igreja no século XVII. Hoje, os viajantes podem explorar a masmorra localizada sob o altar da igreja. O belo mosteiro de Khor Virap é o ponto mais próximo do bíblico Monte Ararat e oferece uma vista deslumbrante sobre o Monte.

A Catedral de Etchmiadzin

A Catedral de Etchmiadzin, construída em 303 DC, após a adoção do Cristianismo, é o centro espiritual da Igreja Apostólica Arménia. Foi construída por São Gregório o Iluminador após um sonho em que o próprio Cristo desceu à terra e apontou o lugar onde a catedral ia ser construída. O nome “Etchmiadzin” traduz-se no lugar onde o Unigénito desceu. Desde a sua fundação, a Santa Etchmiadzin, que muitas vezes é considerada a catedral mais antiga do mundo, tem sido a sede do Catholicos, o chefe supremo da Igreja Arménia.
Originalmente, a Catedral de Etchmiadzin foi construída de madeira e tinha a forma de uma basílica. Mais tarde, foi reconstruída com pedra. A característica distintiva da catedral principal são os seus altares. Para além do principal, possui outros três altares, dois dos quais situados a norte e a sul, o outro ao centro e assinala o lugar sagrado onde desceu o Cristo e ordenou a São Gregório o Iluminador que se construísse o templo. Além dos ornamentos e outras decorações, há pinturas de várias cenas sagradas e mais de 120 retratos com imagens de apóstolos e vários santos.
O complexo monástico de Etchmiadzin, inscrito na lista do património mundial da UNESCO, inclui 5 mosteiros: a Catedral de Santa Mãe de Etchmiadzin, Santa Hripsime, Santa Gayane, Santa Shoghakat e Santa Virgem Maria.

O Templo de Zvartnots

Localizado a 15 quilómetros de Erevan, Zvartnots é um dos magníficos monumentos da arquitetura medieval arménia. O templo foi construído no século 7 pelo Catholicos arménio Nerses III, dedicado a São Gregório, o Iluminador. Mais tarde, no século 10, o templo foi destruído pelo terremoto. Zvartnots foi considerada uma maravilha arquitetónica e serviu como protótipo para muitas outras igrejas arménias. Hoje, até as ruínas desta estrutura arquitetónica dão-nos a ideia da sua beleza rara e majestosa. Em 1989, as ruínas do templo de Zvartnots foram incluídas na Lista do Património Mundial da UNESCO.

O Mosteiro de Sevanavank

O Mosteiro de Sevanavank é um dos sítios históricos e culturais mais notáveis da Arménia, localizado na península do Lago Sevan. O mosteiro, também conhecido como “Mariamashen” (construído por Mariam) foi fundado no século 9 pela princesa Mariam, filha do Rei Ashot I Bagratuni. A primeira igreja do mosteiro foi construída pelo São Gregório, o Iluminador em 305 após a adoção do Cristianismo.
O complexo inclui dois templos monásticos: Santos Apóstolos (Arakelots) e Santa Mãe de Deus (Astvatsatsin), e numerosos khachkares (cruzes de pedra arménios) de importância histórica. Sevanavank também é conhecida pela sua vista magnífica para o lago, o que o torna um dos destinos turísticos mais famosos do país.

O Mosteiro de Geghard

O Mosteiro de Geghard é um dos complexos monásticos mais impressionantes da arquitetura medieval arménia, localizado na região de Kotayk. Este complexo monástico único, com uma parte esculpida na rocha, está incluído na lista do Património Mundial da UNESCO. O mosteiro foi fundado no século 4 por Gregório, o Iluminador numa caverna onde ele encontrou uma fonte milagrosa. É por isso que Geghard foi originalmente chamado de “Ayrivank” (“Ayr” significa caverna). Esta fonte ainda corre na capela e as pessoas vêm aqui para beber a sua água sagrada. Mais tarde, o mosteiro foi denominado “Geghardavank”, o Mosteiro da Lança. Segundo a lenda, o apóstolo São Tadeu trouxe aqui a lança com a qual o soldado romano perfurou o coração de Cristo crucificado, a chamada Lança do Destino. A lança foi guardada no mosteiro por quase 500 anos (agora está guardada no Museu de Etchmiadzin).
A arquitetura do complexo é muito impressionante, com algumas igrejas totalmente escavadas na rocha. Possui uma acústica incrível: em alguns lugares, o som é ouvido mesmo até 40 segundos cujo mistério ainda não foi desvendado.

O Templo de Garni

O Templo Pagão de Garni é um dos pontos turísticos mais famosos e importantes do país, localizado na região de Kotayk, na margem esquerda do rio Azat. O templo foi construído no século 1 d.C. pelo rei arménio Trdat I e foi dedicado ao deus pagão Mihr – o deus do sol. Após a adoção do cristianismo, todos os lugares de culto pagão
foram destruídos, exceto este, que é a única estrutura pagã preservada no país.
O templo é uma obra-prima da arquitetura pagã, helenística e greco-romana. É construído em basalto cinza, sustentado por vinte e quatro colunas da ordem jónica: seis na frente e atrás e oito nas laterais. As 24 colunas simbolizam as 24 horas do dia. O complexo, que incluía um banho romano, um palácio de verão dos reis arménios e uma igreja do século VII, foi estrategicamente construído sobre uma alta colina cercada por muralhas.

O Mosteiro de Haghpat

O Mosteiro de Haghpat é um dos mosteiros mais impressionantes da Arménia, localizado na cidade de Haghpat, na região de Lori. Foi construído no século XX pela rainha Arménia Khosrovanush e foi um dos centros científicos mais proeminentes dessa época, com uma rica coleção de manuscritos. Aqui os monges estudaram medicina, astronomia, filosofia, música, literatura, iluminação de manuscritos e muito mais. Este mosteiro de grande importância espiritual inclui as igrejas de São Nshan, São Gregório e Santa Mãe de Deus (Astvatsatsin), um cemitério, um armazém, um refeitório, um campanário e muitas cruzes de pedra. Esses edifícios refletem as principais características da arquitetura medieval arménia. Em 1996, o mosteiro de Haghpat foi inscrito na lista do Património Mundial da UNESCO.

O Mosteiro de Sanahin

O Mosteiro de Sanahin é outro centro espiritual e educacional muito eminente registado na Lista do Património Mundial da UNESCO. Sanahin, fundado no século 10, foi um centro educacional muito importante com academias, bibliotecas e escolas. A livraria do mosteiro era a maior da Arménia medieval.
Segundo a lenda, a primeira igreja do complexo foi fundada no século IV e o nome “Sanahin” significa “Este é mais velho que o outro”. “O outro” aqui se refere ao mosteiro de Haghpat, localizado a 15 quilómetros dele. O complexo monástico inclui as igrejas de Santa Mãe de Deus (Astvatsatsin) e São Salvador (Amenaprkich) com os seus pátios, as capelas de São Gregório e São Harutyun, um seminário, um campanário, um scriptorium e os mausoléus das dinastias Zakarian e Kyurikian.

A Fortaleza de Akhtala

O complexo monástico de Akhtala está localizado na vila de Akhtala, na região de Lori, perto da fronteira com a Geórgia. Foi construído no século XX pelos príncipes Kyurikian e incorpora elementos da arquitetura arménia, georgiana e bizantina. A principal característica do complexo é a fascinante coleção de afrescos que cobre quase todas as paredes internas da igreja principal. A coloração dos afrescos é típica da arte bizantina, enquanto as soluções temáticas das miniaturas são arménias. Existem inscrições nas paredes nos idiomas grego e georgiano. Para além da igreja central, o complexo inclui também uma pequena igreja de São Basilio, ruínas dum edifício residencial e vestígios de outras construções. As paredes da fortaleza estão bastante bem conservadas, o que mostra que se tratava de uma fortificação muito poderosa. Fora isso, o forte fica à beira dum desfiladeiro profundo e é protegido com barreiras naturais em três lados.

O Mosteiro de Tatev

A joia da arquitetura medieval arménia, o Mosteiro de Tatev, está localizado na região de Syunik, no alto de um penhasco com vista para o rio Vorotan. O Mosteiro de Tatev, construído entre os séculos IX e XIII, era o centro religioso, cultural e científico da Arménia medieval, o centro político do Principado de Syunik e a residência do bispo de Syunik. Hoje, o complexo monástico inclui três igrejas: a Santíssima Virgem, os Santos Apóstolos Pedro e Paulo e São Gregório. Antigamente, era muito difícil chegar ao Mosteiro de Tatev devido à estrada sinuosa que descia pelas paredes íngremes do desfiladeiro e cruzava o rio Vorotan pela Ponte do Diabo. Por enquanto, Tatev é facilmente acessível a todos no teleférico “As asas de Tatev”. Este teleférico que se estende acima do desfiladeiro estonteante de Vorotan está registado no livro “Guinness World Records” como o funicular aéreo reversível mais longo do mundo (5752 m). Durante o voo de 12 minutos, você poderá admirar as vistas espetaculares da natureza arménia e do mosteiro situado no alto de um planalto rochoso e ouvir a sua história.

O Mosteiro de Goshavank

O complexo monástico medieval de Goshavank, construído no século XII, está localizado a 15 km da cidade turística de Dilijan. O mosteiro tem o nome do grande cientista, historiador e político arménio Mkhitar Gosh, que construiu o mosteiro com o apoio do príncipe Ivane Zakaryan. Mkhitar Gosh viveu e trabalhou aqui por 25 anos, fundando uma escola onde eram ensinadas línguas (arménio, latim, grego), filosofia, música, desenho e outras disciplinas. Assim, o mosteiro não era apenas um centro religioso, mas também um importante centro educacional e cultural. O complexo monástico inclui as igrejas da Santa Mãe de Deus (Astvatsatsin), São Gregório, São Gregório o Iluminador, um depósito de livros, edifícios escolares, uma capela e muitas cruzes de pedra. A primeira igreja do mosteiro, a Catedral da Santa Mãe de Deus (Astvatsatsin), é um magnífico exemplo de uma catedral com cúpula no estilo arquitetónico arménio medieval. A vista do mosteiro é majestosa pela sua localização num dos lugares mais pitorescos da Arménia.

O Mosteiro de Haghartsin

O Mosteiro de Haghartsin é um dos lugares mais misteriosos do país, localizado no alto das montanhas cobertas por florestas. O complexo monástico, que representa uma surpreendente harmonia entre arquitetura e natureza, está localizado a 18 km ao norte da cidade turística de Dilijan. Foi fundado pela dinastía Bagratuni no século XX. O complexo inclui quatro igrejas: São Gregório, Santa Mãe de Deus (Astvatsatsin), São Katoghike e São Estevão; dois pátios, um refeitório, salas de oração e muitas cruzes de pedra. A igreja principal é a Santa Mãe de Deus, que possui uma sala escondida e um túnel secreto que foram usados para esconder artefatos e escapar durante guerras ou terremotos. O refeitório do mosteiro possui 12 colunas que simbolizam os 12 discípulos de Cristo. No século XIII, o mosteiro não era apenas um centro religioso, mas também um centro científico.

O Mosteiro de Noravank

O Mosteiro de Noravank é um verdadeiro tesouro da arte religiosa arménia. Este complexo monástico, datado do século XIII, está localizado no desfiladeiro do rio Arpa, na região de Vayots Dzor. Noravank é considerado uma obra-prima arquitetónica criada pelo eminente escultor e arquiteto Momik. O que o torna especialmente único é que Noravank é um dos poucos mosteiros do mundo que consiste em dois andares. O complexo inclui três igrejas: Santa Mãe de Deus (Astvatsatsin), São Karapet e São Gregório, um pátio e um mausoléu do Duque Smbat. O edifício mais magnífico é a Igreja da Santa Mãe de Deus construída pelo Príncipe Burtel Orbelyan. No primeiro andar está o túmulo da família Orbelyan. O segundo andar, ligado ao primeiro por escadas íngremes, é uma capela em forma de cruz.
Noravank é um lugar que não pode perder quando visitar a Arménia, não só pela sua importância cultural, mas também pela sua magnífica localização. A arquitetura impressionante do mosteiro contrasta de forma impressionante com os penhascos de rocha vermelha ao redor.

O Mosteiro de Saghmosavank

O Mosteiro de Saghmosavank está localizado na região de Aragatsotn, na margem direita do rio Kasakh. O mosteiro está situado à beira dum desfiladeiro com uma vista fascinante sobre a canhão.
Saghmosavank vem da palavra “saghmos”, que significa “salmo”, uma canção espiritual ou uma poesia lírica. Segundo a lenda, a primeira igreja do complexo foi fundada por São Gregório, o Iluminador, que ensinou salmos aos clérigos aqui.
O complexo monástico, que foi um dos centros espirituais e culturais mais proeminentes da Idade Média, inclui a Igreja de São Sião e São Astvatsatsin, um pátio e uma casa da escrita. A igreja principal (São Astvatsatsin) foi construída em 1215 pelo Príncipe Vache Vachutyan, tem um desenho de estilo grego com sacristias de dois andares em todos os cantos e torres cilíndricas no centro. Anteriormente, o complexo era cercado por portões semicirculares.
O Mosteiro Saghmosavank era famoso pelos seus manuscritos. Várias miniaturas e ilustrações, literatura teológica e muitas obras de historiadores arménios foram criadas e copiadas aqui.

O Caravançarai de Selim

O Caravançarai de Selim, também conhecido como Caravançarai de Orbelian, está localizado na região de Vayots Dzor. Foi construído ao longo da passagem da montanha Vardenyats no século XIV pelo Príncipe Chesar Orbelian para ligar os caminhos da Europa e do Oriente Médio e acomodar os viajantes e os seus animais enquanto eles cruzavam a Rota da Seda. O caravançarai é construído com blocos de basalto. Possui uma única sala dividida em três naves com sete pares de pilares. Os animais descansaram nos corredores estreitos à esquerda e à direita da sala principal. Tinha também um quarto separado para os viajantes, construído no lado oeste do caravançarai.

O cemitério de Noraduz

O património mais notável da arquitetura arménia são as cruzes de pedra, os famosos “khachkars” arménios inscritos na lista do património imaterial da UNESCO. Essas cruzes de pedra que podem ser encontradas em todos os mosteiros do país tornaram-se o símbolo da Arménia cristã. O cemitério de Noraduz, localizado na região de Gegharkunik, junto ao Lago Sevan, é o maior cemitério com cruzes de pedra do mundo. Contém cerca de 900 cruzes de pedra de diferentes épocas e soluções arquitetónicas. A maioria deles data dos séculos XIII-XVII; o mais antigo pertence ao século VII.

O observatório de Zorats Karer

O Stonehenge arménio chamado Zorats Karer ou Karahunj, que significa “Exército de Pedras” e “Pedras Falantes” respetivamente, está localizado no sul da Arménia, na região de Syunik. É uma construção única composta por pedras de dois metros colocadas verticalmente, formando um círculo perfeito com um dólmen no centro. Segundo os arqueólogos, é um antigo observatório usado para fins astronómicos nos tempos pré-históricos. No entanto, as opiniões dos cientistas sobre a sua idade são bem diferentes. Alguns dizem que Karahunj foi construído no terceiro milênio a.C., enquanto outros afirmam que o complexo tem cerca de 7.500 anos.

O Monte bíblico Ararat

De acordo com a Bíblia, foi no Monte Ararat onde Noé pousou a sua arca após o Grande Dilúvio. Portanto, o Ararat é considerado uma Montanha Sagrada, o lugar da salvação da humanidade e o berço da civilização. Embora hoje o Ararat não seja encontrado no território da Arménia, o monte bíblico é considerado o símbolo nacional do país e aparece no brasão do país, bem como em muitas marcas e produtos nacionais.
O Monte Ararat está localizado na margem direita do rio Araks, perto da fronteira com a Turquia. Possui dois picos: o Ararat Ocidental ou Grande (5.165 m) e o Ararat Oriental ou Pequeno (3.925 m). Os arménios costumam chamá-los de “dois irmãos”: Masis e Sis. O Ararat Grande é coberto por uma camada permanente de neve durante todo o ano.
Ararat pode ser visto de muitos cantos da Arménia, no entanto, as vistas mais magníficas abrem-se do Mosteiro de Khor Virap (o ponto mais próximo dele), Arco de Charents e Cascad.

O lago Sevan

O Lago Sevan, também chamado de “A Pérola Azul da Arménia” é o segundo maior lago de água doce do mundo, situado a 1.900 metros de altitude acima do nível do mar. Às vezes parece que a superfície da água está a ponto de tocar o céu. Cobrindo uma área de 1.240 metros quadrados, Sevan é cercado por cadeias de montanhas. A beleza das paisagens de Sevan é especialmente maravilhosa desde a Península de Sevan. O Mosteiro de Sevanavank, localizado na península, tornou-se um dos destinos turísticos mais famosos do país pelas suas vistas incríveis do lago azul e do céu claro que o deixarão sem palavras.

O Monte Aragats

Aragats é a montanha mais alta da Arménia (4.090 m). Os historiadores relacionam as origens do nome com o rei arménio Ara o Belo e o seu trono imperial. Aragats tem quatro picos: o Sul – 3879 m, o Oeste – 4.080 m, o Leste – 3.916 m, o Norte, que é o mais alto – 4.090 m. A montanha é conhecida não apenas pela sua beleza incrível, mas também pelo seu magnífico património cultural que inclui dezenas de testemunhos pertencentes à era paleolítica, enormes pedras de dragão colocadas junto a fontes de água, antigas redes de irrigação e magníficas amostras da arquitetura medieval arménia – a Fortaleza de Amberd, o Observatório de Byurakan, etc. A uma altitude de 3.200 m existe um lago pitoresco chamado de “Kari”, onde se pode brincar com a neve mesmo nos dias quentes de verão.

O Canhão de Debed

O Canhão de Debed, localizado na região de Lori, é um dos lugares mais atraentes da Arménia com uma profundidade de 350 metros. O desfiladeiro está localizado ao longo do rio Debed, que para os arménios está associado a mistério e terror. Isso reflete-se num dos poemas do famoso escritor arménio Hovhannes Tumanyan, onde o protagonista enlouquece, passando uma noite sozinho no desfiladeiro.
Existem muitos monumentos históricos na área costeira do rio Debed: os mosteiros de Haghpat e Sanahin inscritos na Lista do Património Mundial da UNESCO, a fortaleza medieval de Akhtala, o mosteiro de Kobayr, as cruzes de pedra e muitos outros monumentos únicos.

O Canhão de Garni: A Sinfonia de Pedras

O impressionante canhão de Garni, que se estende ao longo do rio Azat e a sua confluência Goght na região de Kotayk, é uma composição de magníficos penhascos verticais e rochas naturais de beleza surpreendente. A parte mais fantástica é a chamada “Sinfonia das Pedras”, um monumento natural protegido por lei. O monumento é constituído por enormes colunas de basalto hexagonais e pentagonais paradoxalmente simétricas (quase 50 metros de altura) que se formaram após uma erupção vulcânica. Uma vez que as rochas têm o aspeto de pilares verticais de forma hexagonal e estão comumente associadas ao órgão da igreja, o monumento também é conhecido como “Órgão de Basalto”. É realmente difícil de acreditar que essas pedras esculpidas de uma maneira tão simétrica possam ter sido criadas pela natureza e não por mãos humanas.

O Parque Nacional de Dilijan

A cidade Balneária de Dilijan (região de Tavush) conhecida pelas suas águas minerais curativas, belas florestas, vales e desfiladeiros está localizada no coração do parque nacional mais rico da Transcaucásia – Parque Nacional de Dilijan. Dilijan também é conhecida como a “Suíça Arménia” devido à sua rica natureza, com áreas de florestas exuberantes e lagos cristalinos no meio dessas densas florestas.
Ocupando uma área de 33.000 hectares, o Parque Nacional de Dilijan é um dos recantos mais acolhedores da natureza arménia, famoso pelo seu ar cristalino, rica flora e fauna. É dividido em três zonas principais: reserva, económica e recreativa.
O Parque Nacional de Dilijan é um lugar ideal para atividades ao ar livre, incluindo caminhadas, observação de flores e pássaros, ciclismo de montanha, etc. Além disso, para os interessados no ecoturismo, 11 roteiros ecológicos foram separados na zona recreativa com placas explicativas e marcas viárias.

A Paisagem Protegida de Arpa: O Canhão de Noravank

A Paisagem Protegida de Arpa (antes Gnishik), está localizada na região de Vayots Dzor, perto do Mosteiro de Noravank (devido à sua proximidade com o mosteiro também é conhecido como “Canyon de Noravank”). A área do desfiladeiro é famosa pela sua rica flora e fauna e pelas muitas cavernas onde sapatos antigos e instalações de vinificação do período calcolítico foram encontrados. Esta área foi reconhecida como uma Área Importante para a Conservação das Aves por abrigar algumas espécies de pássaros em perigo de extinção em todo o mundo. Além disso, é o lar de um dos animais mais preciosos do país, o leopardo do Cáucaso. O caminho para o Mosteiro de Noravank é impressionante, com formações rochosas espetaculares que mudam de cor dependendo da hora do dia.

A cidade das cavernas de Khndzoresk

A 30 quilómetros de distância do famoso Mosteiro de Tatev, uma ponte suspensa de 14 toneladas conecta o Antigo Khndzoresk com o Novo Khndzoresk. Esta ponte estende-se por 160 metros sobre o pitoresco desfiladeiro de beleza deslumbrante. Khndzoresk, por estar situado num desfiladeiro profundo, chamava-se “Khor Dzor” ou “Khordzoresk”, que significa “desfiladeiro profundo”, que mais tarde foi renomeado como “Khndzoresk”.
O antigo Khndzoresk era uma das maiores aldeias da Arménia. Esta cidade de grande importância histórica é formada por cavernas artificiais onde as pessoas viviam até a década de 1950. Segundo as fontes, a população que vivia aqui cresceu para 15.000 pessoas que viviam em 3.000 casas, a maioria escavadas na rocha. Khndzoresk tinha 2 igrejas e 3 escolas, o que é a evidencia não só da enorme população, mas também da vida cultural e espiritual da aldeia.

O Lago Arpi

O Lago Arpi é uma das belezas ocultas da Arménia, localizada no planalto de Ashotsk, na região de Shirak. É a segunda fonte de água mais importante na Arménia depois de Sevan, localizada a 2.025 metros acima do nível do mar.
Em 2009 foi criado um parque nacional ao redor do lago com o objetivo de proteger o ambiente natural de cerca de 670 espécies de plantas, 30 espécies de mamíferos, 90 espécies de borboletas e 200 espécies de pássaros que vivem na área. 22 espécies de plantas e 40 espécies de pássaros que vivem aqui estão registadas no Livro Vermelho de Dados da Arménia. O Parque Nacional também inclui outros pequenos lagos, rios e pântanos.

A Reserva Florestal Estadual de Khosrov

A Reserva Florestal Estadual de Khosrov está localizada no território histórico da Floresta de Khosrov, na região de Ararat. É uma das áreas protegidas mais antigas do mundo, fundada no século IV como terreno de caça pelo rei arménio Khosrov III. A reserva com uma área de quase 23.000 hectares possui uma diversidade única de flora e fauna asiática e europeia.
Aqui você pode encontrar mais de 1.850 espécies de plantas, 80 espécies das quais estão registadas no Livro Vermelho de Dados da Arménia e 24 espécies são endémicas. A fauna inclui mais de 1500 espécies. Os mais famosos são o urso pardo (Ursus arctos syriacus), a cabra bezoar (Capra aegagrus) e o leopardo caucasiano (Panthera pardus ciscaucasica) registados no Livro Vermelho da Arménia.
Outra peculiaridade da reserva é o seu rico património histórico e cultural que inclui amenidades culturais antigas, monumentos histórico-arquitetónicos, assentamentos rupestres, mosteiros e cruzes de pedra medievais.
A esplêndida diversidade de paisagens, a rica biodiversidade, as enormes variedades de florestas virgens tornam a reserva um lugar único não só na Arménia, mas também em toda a região do Cáucaso.

O Museu de História da Arménia

O Museu de História da Arménia, localizado na Praça da República de Erevan, foi fundado em 1919. Cerca de 400.000 peças de artesanato da Arménia, desde os tempos pré-históricos até os dias atuais, estão expostas aqui. Composto pelos departamentos de Arqueologia, Numismática, Etnografia, Nova História e História Moderna, o museu exibe um grande número de obras preciosas de arquitetura, arqueologia, etnografia e história da Arménia e realiza programas científicos sobre a história e cultura do país. Assim, o museu é o melhor local para obter informações sobre a história e cultura do povo arménio.

A Galeria Nacional da Arménia

A Galeria Nacional, fundada em 1921, é a maior galeria da Arménia localizada na Praça da República em Erevan, no mesmo prédio do Museu de História. A coleção da Galeria contém mais de 26.000 obras de Belas Artes e Artes Aplicadas representadas em 56 salas de exposição. Aqui você pode encontrar as obras de artistas mundialmente famosos como Hovhannes Aivazovsky, Martiros Saryan, Minas Avetisyan, Tortoretton, Auguste Roden, Mark Chagall, Peter Paul Rubens, Gustav Korben e muitos outros.
A Galeria consiste em quatro departamentos: Departamento da Arménia, com uma coleção de 7000 exposições; Departamento de Pintura de Países Estrangeiros com obras de pintores europeus e russos; Departamento de Escultura com aproximadamente 1200 objetos de coleção de esculturas criadas por escultores arménios e estrangeiros e finalmente Departamento de Arte Gráfica com 12000 exposições de artes gráficas.

Matenadaran

Matenadaran, fundado em 1959, é um dos maiores repositórios de manuscritos do mundo. O repositório tem uma coleção extraordinária de mais de 17.000 manuscritos, 450.000 documentos e 3.000 livros antigos cobrindo todas as áreas da cultura e ciência arménia: história, geografia, gramática, filosofia, direito, medicina, matemática, literatura, pintura em miniaturas, música, etc. O manuscrito mais antigo preservado aqui é o “Vehamor Avetaran”, datado do século VIII.
Aqui estão expostos o maior livro arménio “Msho Charyntir” (pesa 28 kg) e o menor (190 g). Para além de manuscritos arménios, armazenam-se manuscritos em árabe, persa, grego, assírio, latim, amárico, indiano, japonês e noutras línguas. Matenadaran não é apenas um repositório de manuscritos antigos, mas também um instituto de pesquisa científica para manuscritos. Nomeado após Mesrop Mashtots, o criador do alfabeto arménio, Matenadaran é considerado um verdadeiro tesouro nacional que representa a riqueza da cultura e da história do país.

O Centro Cafesjian de Artes

O Centro Cafesjian de Artes é um museu de arte localizado no centro de Erevan, no famoso Complexo de Cascade. O fundador do museu foi um famoso empresário arménio Gerard Cafesjian, que contribuiu com a sua coleção particular para o museu. Mais de 5.000 obras de arte de artistas famosos como Fernando Botero, Stanislav Libenský, Jaroslava Brychtová, Hiroshi Yamano, Dale Chihuly, Bohumil Elias, Bertil Vallien, Pavel Hlava, Lino Tagliapietra, Mark Peiser e muitos outros estão expostas aqui. Para além da exposição de obras únicas de arte moderna, uma série de peças únicas de arte contemporânea também estão em exibição. O museu consiste de duas seções distintas: o “Jardim de Esculturas Cafesjian” externo e as “Galerias de Arte Cafesjian” internas. Assim, você pode admirar muitas esculturas impressionantes enquanto sobe as escadas de Cascad.

O Museu da Fortaleza de Erebuni

O Museu de Erebuni, fundado em 1968, é um dos museus mais importantes da Arménia. A fortaleza, também conhecida como Arin Berd, foi fundada em 782 a. C. pelo Rei Argishti I do Reino de Urartu. A data de fundação da capital moderna, Erevan, é considerada a data da construção da fortaleza e o nome Erevan deriva do nome Erebuni, que significa “a cidade da liberdade”.
A fortaleza de Erebuni era uma base militar muito poderosa e um ponto estratégico do reino de Urartu. Para além disso, foi um dos principais centros económicos, políticos e culturais da época.
Aparentemente, uma grande parte da fortaleza de 2.800 anos não perdurou até hoje. Algumas partes da fortaleza foram restauradas e pertencem ao museu que inclui “Arin Berd”, “Karmir Blur”, sucursais de Shengavit com uma enorme coleção de artefatos, jarros, cerâmicas, pulseiras de bronze e muitas outras coisas da vida da cidadela. Todas essas ferramentas foram encontradas durante as escavações. Aqui está também o passaporte de Erevan, que é uma inscrição cuneiforme no terreno do estabelecimento da cidade de Erebuni.

O Museu de Sergei Parajanov

Sergei Parajanov é uma das figuras mais proeminentes do cinema arménio e da indústria cinematográfica em geral. Ele foi um cineasta e artista soviético arménio que muito contribuiu para o desenvolvimento da cinematografia soviética através do cinema arménio, ucraniano e georgiano. O Museu de Sergei Parajanov, fundado em 1988, é um dos museus mais populares de Erevan, conhecido pelas suas exposições exclusivas. A fantasia, o mistério e a maestria das suas obras impressionarão todos aqueles que visitam o museu, que representa o património artístico e literário de Parajanov com mais de 600 obras de arte, incluindo instalações, quadros, bonecos, chapéus e colagens. Muitas pessoas famosas como Vladimir Putin, Paulo Coelho, Wim Wenders, Donald Knuth, Enrica Antonioni, Arnold Rüütel, Tarja Halonen e muitos outros visitaram este impressionante centro cultural. O museu organizou cerca de 50 exposições em Moscou, Hollywood, Tóquio, Roma, Cannes, Atenas e Teerã.

O Vernissage – O mercado de pulgas

Se você quer aproximar-se um pouco mais da cultura arménia e conhecer o temperamento arménio, deve visitar Vernissage. É um mercado ao ar livre e uma exposição que exibe diferentes obras de arte arménio e itens feitos à mão. Vários tipos de souvenirs nacionais, tapetes, bolsas, pinturas, joias e outros itens tradicionais são oferecidos aqui.

O Museu do Genocídio Arménio

O Complexo Memorial do Genocídio Arménio ou Tsitsernakaberd é dedicado à comemoração das vítimas do Genocídio Arménio. O monumento, construído em 1967 em Erevan, inclui o Museu-Instituto do Genocídio Arménio, inaugurado em 1995.
O genocídio arménio foi cometido pelo governo otomano, em 1915. Cerca de 1,5 milhão de arménios foram expulsos das suas casas e massacrados. Milhões de arménios emigraram e espalharam-se pelo mundo. A enorme diáspora arménia é a consequência dessa dispersão do povo arménio pelo mundo. Este lugar é muito importante para todos os arménios.
Todos os anos, no dia 24 de abril (Dia da Memória), nos reunimos ali para homenagear as vítimas inocentes do massacre, colocando flores ao redor do fogo eterno. O Museu, cuja missão é reconhecer o genocídio arménio como um ato terrível e inaceitável, exibe fotos, documentos, livros, relatórios e filmes relacionados ao genocídio.

O Museu Militar Mãe Arménia

O Museu Militar, fundado em 1970, está localizado no parque de Victoria sob o monumento da Mãe Arménia no topo de uma colina. A figura de 22 metros da Mãe Arménia é um dos principais símbolos da capital, simbolizando a paz através da força. Isso mostra que não apenas os homens, mas também as mulheres lutaram pela independência da Arménia.
O museu apresenta mais de 30.000 exposições e consiste em 2 temas principais com exposições militares dedicadas ao papel da Arménia na Primeira Guerra Mundial e na libertação da República de Artsakh.

O Museu Nacional de Arte Popular da Arménia

O Museu de Arte Popular da Arménia, fundado em 1978, é um centro cultural único em Erevan com uma filial em Dilijan (região de Tavush). É um centro da cultura arménia onde são exibidas amostras de Artes e Ofícios e Belas-Artes de diferentes épocas. O museu abriga cerca de 12.000 exposições de tapetes, alfombras, joias, cerâmicas, pinturas, esculturas em pedra e metal, bordados e muitas outras exibições de artes decorativas e aplicadas arménias.